quinta-feira, 25 de fevereiro de 2016

(...)

"A aceitação que eu buscava vinha de uma falsa compreensão que eu oferecia ao Outro. Quantas foram as vezes em que eu, simplesmente, estava entediada com o drama alheio e me fiz prestativa e disponível no instante em que eu só queria respeitar minha vontade de solitude e ficar absorta nos meus próprios devaneios... Quanto tempo foi gasto procurando coisas e pessoas que preenchessem minhas lacunas quando eu apenas precisava do vazio: de estar comigo na feiura e na beleza que carrego."
(Marla de Queiroz)

Nenhum comentário: